segunda-feira, 20 de julho de 2009

TOME 2009 - resenha do 2ª dia


Os shows do segundo dia começaram um pouco antes da meia-noite, eu me atrasei um pouco por isso perdi a primeira boa noticia da noite: um dos integrantes da banda A Baba de Mumm-Rá estava doente (talvez tenha pegado gripe do Porkão) e a banda seria substituída pela Mata-Burro, que já estava tocando no momento.

Bento entoou seu hardcore profano e começou o que mais tarde se tornaria um mosh-pit. Mata-Burro fez sua burrada, deu seus gritos e depois liberou o palco para as atrações internacionais da noite.

Strike Máster, do México, e Omen dos Estados Unidos vieram parar aqui nesse estado por estarem realizando uma turnê juntos pela América do Sul. "In Metallic Blood We Trust - South American Gig 2009" eles já passaram por outros tantos estados, e ainda passaram por mais.

Omen sabia como agitar o público, não era necessário conhecer suas letras, bastava saber identificar o bom rock que estava sendo tocado. Até tentamos ensaiar um bate-cabeça.

Era visível que havia bem menos gente do que no dia anterior, é sempre assim no dia dedicado ao metal do cão. Não vi muitas caras conhecidas também não, Daiene Santana do Vivo Verde e Di vocal da banda Engenho Novo.

Omen cantou sua última música e após uma transição rápida, às 1:30, Strike Máster subiu ao palco, e com seu Trash Metal mostrou que era possível cantar esse tipo de música em espanhol.

O bate-cabeça estava agitado, e ocupou o espaço vazio que havia no Tendêncies, no entanto o Porkão devia dar uma olhada nas instalações elétricas do recinto, não foram poucas as vezes em que a energia ficou monofásica, chegando a interromper o show do Strike Máster. Estes incidentes aconteceram nos dois dias e com certeza deve ter deixado uma má impressão nas três bandas que vieram de fora.

Às 2h15 o show já havia acabado, os garotos do Strike Máster não souberam deixar muito claro se tinham acabado pra valer, então o pessoal demorou um bom tempo pra esvaziar o local, como ainda era cedo acabei indo no Vila de Palma ver o Móveis tocar. Fiquei do lado de fora, é claro. Parecia haver pouca gente lá dentro, o pessoal que conhecia a banda já tinha ido vê-los na noite anterior.

Antes que eu me esqueça, a segunda boa noticia da noite é que a Daiene pagou a cerveja que estava me devendo.

Um comentário:

  1. hahhahaha fica me queimando né? Mas oque importa é que paguei ... \o/ ahhahaha

    Boa a resenha ... e concordo plenamente =]

    mas tu tá festeiro em? ainda foi lá no Vila ahahaha

    Boa garoto

    abraços

    ResponderExcluir