segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Brainball? Me arrume uma garrafa de Aguardente J!anx!


E o mundo real imita a ficção, com pequenas adaptações nesse jogo que chamam de Brainball, poderemos passar a jogar a queda-de-braço de Betelgeuse.

O que foi, nunca leu O Guia do Mochileiro das Galáxias?

Vou transcrever a descrição desse jogo magnífico que poderá lhe proporcionar muitas horas de prazer e uma ressaca filha-da-puta.

“Os dois adversários sentavam-se a uma mesa, um de cara para o outro, cada um com um copo à sua frente. Entre os dois colocava-se uma garrafa de Aguardente Janx (imortalizada naquela velha canção dos mineiros de Órion:

'Ah, não me dê mais dessa Aguardente Janx

Não, não me dê mais um gole de Aguardente Janx

Senão minha cabeça vai partir, minha língua vai mentir, meus olhos vão ferver e sou capaz de morrer

Vai, me dá um golinho de Aguardente Janx").

Então, cada lutador tentava concentrar sua força de vontade sobre a garrafa para incliná-la e verter aguardente no copo do adversário, que então era obrigado a bebê-la. Então enchia-se a garrafa de novo, começava uma nova rodada, e assim por diante.

Quem começava perdendo normalmente acabava perdendo, porque um dos efeitos da Aguardente Janx é deprimir o poder telepsíquico.

Assim que se consumia uma quantidade previamente estabelecida, o perdedor era obrigado a pagar uma prenda, que costumava ser obscenamente biológica.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário