sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Crise provoca efeito até nos Universos Marvel e DC

Pelo jeito, nem os Supers, conseguiram escapar da crise...

Homem-Aranha
Chapolin-Colorado
Mulher-Maravilha
Tocha Humana
O Coisa
The Flash
Hulk

via 30 e poucos

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

The Boys, de Garth Ennis e Darick Robertson



Com Garth Ennis no roteiro pode ficar certo que a censura mínima é 18 anos.
The Boys traz um roteiro genial, violência desmedida, e cenas do jeito que realmente tem que ser. Se precisa de um pouco de pornografia, coloca, se tem poço sangue, bata mais forte, e por ai vai.
Garth Ennis e Darick Robertson ilustram coisas que inevitavelmente aconteceriam se humanos super-poderosos voassem livres por ai fazendo sua “justiça”.
Os três primeiros volumes foram publicados pela DC, mas devido a referencias quase que explicitas aos heróis da editora, a serie foi cancelada.
A serie foi retomada e passou a ser publicada pela Image, que não tinha o menos interesse se o Liga da Justiça estava sendo ofendida em The Boys.
Leiam, vocês não vão se arrepender, apenas lembrem de tirar as crianças da sala porque o Açougueiro, a Mulher, o Filhinho Da Mamãe, o Mijão e o Francês estão chegando.

The Boys #01
The Boys #02
The Boys #03
The Boys #04
The Boys #05
The Boys #06
The Boys #07
The Boys #08
The Boys #09
The Boys #10
The Boys #11
The Boys #12
The Boys #13
The Boys #14
The Boys #15
The Boys #16
The Boys #17
The Boys #18
The Boys #19
The Boys #20
The Boys #21
The Boys #22
The Boys #23
The Boys #24
The Boys #25
The Boys #26
The Boys #27


The Lost Room, recomendo

Imagine um objeto aparentemente comum, agora imagine que esse objeto “comum” realize façanhas incomuns, ou no mínimo, improváveis.
Depois de pegar a investigação de um caso de assassinato, Joe Miller passou a ser o atual portador de uma chave de motel, a chave do quarto numero 10 para ser mais preciso.
A chave, a partir de qualquer fechadura, te leva para o quarto numero 10, e a partir do quarto, você pode abrir qualquer porta que queira. Os únicos requisitos são, que a porta possua uma fechadura, e que você saiba onde fica a porta.
Toda vez que o quarto é fechado, ele se reinicia. Os objetos originais retornam ao seu lugar original, e os objetos estranhos somem, e nesse sumir, é exatamente onde está o problema, pois só descobrindo para onde vão as coisas quando o quarto se reinicia é que o detetive Miller vai conseguir resgatar sua filha.
A série é interessante, mão se deixe enganar pelo começo meio sonso, aguarde pelo menos meia hora para julgar se vale a pena, ou não, assistir o resto.
São três episódios com mais de uma hora cada.
esta é a bendita chave

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Pequeno vacilo da Info

Leve vacilo da Info em seu site, confundir o Gimp com o Chrome.

O primeiro seria a versão open source do Photoshop, o outro a versão Google do Firefox, se bem que o Gimp, por méritos próprios, não merece ser intitulado apenas como “versão linux” do Photoshop, recomendo ele, é um excelente editor de imagens.

Essa mancada num chega nem perto daquelas flagradas no portal da globo e no G1, mas pra não perder o print...

Skins seasseon 3 - Eu assisto!

e como sempre a fumaça rola solta...
>

Pois é, finalmente pude assistir ao primeiro episodio de Skins seasseon 3.

Sou impossibilitado de executar downloads que extrapolem o limite de alguns megas, (limite imposto pelo TI). E dessa vez, até mesmo o fluxo de dados por entre pen-drives estava meio conturbado.

Os personagens eram praticamente todos novos (que novidade!), com exceção de Pandora e Effy, que será o centro da série nesta temporada (outra grande novidade que ninguém esperava :-O).

Ao assistir, notei algumas coisas que, espero eu, sejam ilusões (provocadas pela ansiedade provavelmente, não ilusões exatamente, apenas percepções errôneas). Ao ver a apresentação dos alunos na aula de filosofia, pareceu-me que estavam tentando substituir literalmente os personagens antigos: Kumir seria uma tentativa de manter um persogem como o Maxxie; Katie seria a Michelle; Emily, Cassie ; JJ o Sid e por ai vai.

Provavelmente foi só uma ilusão causada pela ansiedade para assistir esse episodio. Vai passar.

Me questionaram sobre o fato de sempre haver uma ninfomaníaca nesse tipo de série. Bom, não é para que ela, e apenas ela, execute as cenas de sacanagem do roteiro (fique tranqüilo, ah cenas suficientes para atinar sua libido), mas para criar uma ilusão no espectador de virão cenas picantes a seguir. Porque se nada der certo no roteiro, sempre tem a pornografia pra segurar a audiência.


essas gêmeas prometem...

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Método eficiente para diminuir o preço de um produto

Descobri um método, quase, infalível para abaixar o valor de um produto na internet.

Basta garantir que eu adquira o produto, claro que você vai ter um custo adicional devido a isso, uma vez que não pretendo adquirir produtos a torto e direito só por sua vontade. No entanto o método só funciona com eletroeletrônicos e produtos de informática.

Os dois últimos casos ocorreram quando adquiri meu pen-drive de oito gigas e meu novo computador (com monitor widescreen 22”). Na compra do pen-drive, menos de 30 dias depois do pedido, o preço dele teve um desconto de 30%. E agora, na compra no computador, houve uma queda de aproximadamente R$ 300,00.

Esses trezentos reais poderiam ter sido muito bem empregados na compra de uma placa de vídeo, que vem on-board na maioria dos modelos (em lojas virtuais, atente que estou levando em conta apenas os que compensam o preço).

Estarei disponível caso alguém queira testar esse método, aceito a quantia somente em dinheiro, mas também posso te passar o numero do boleto gerado para que seja pago :-D

p.s.: tô de pc novo, não necessariamente o da foto, mas equivalente

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Brainball? Me arrume uma garrafa de Aguardente J!anx!


E o mundo real imita a ficção, com pequenas adaptações nesse jogo que chamam de Brainball, poderemos passar a jogar a queda-de-braço de Betelgeuse.

O que foi, nunca leu O Guia do Mochileiro das Galáxias?

Vou transcrever a descrição desse jogo magnífico que poderá lhe proporcionar muitas horas de prazer e uma ressaca filha-da-puta.

“Os dois adversários sentavam-se a uma mesa, um de cara para o outro, cada um com um copo à sua frente. Entre os dois colocava-se uma garrafa de Aguardente Janx (imortalizada naquela velha canção dos mineiros de Órion:

'Ah, não me dê mais dessa Aguardente Janx

Não, não me dê mais um gole de Aguardente Janx

Senão minha cabeça vai partir, minha língua vai mentir, meus olhos vão ferver e sou capaz de morrer

Vai, me dá um golinho de Aguardente Janx").

Então, cada lutador tentava concentrar sua força de vontade sobre a garrafa para incliná-la e verter aguardente no copo do adversário, que então era obrigado a bebê-la. Então enchia-se a garrafa de novo, começava uma nova rodada, e assim por diante.

Quem começava perdendo normalmente acabava perdendo, porque um dos efeitos da Aguardente Janx é deprimir o poder telepsíquico.

Assim que se consumia uma quantidade previamente estabelecida, o perdedor era obrigado a pagar uma prenda, que costumava ser obscenamente biológica.”


Exterminador do Futuro, esse filme realmente existe!


Esse final de semana tive a oportunidade de desvendar, o que pelo menos para mim, se tratava de um mito. Pude constatar a existência do filme “O Exterminador do Futuro (UM)”.
Pelo que eu me lembre, tal filme nunca chegou a ser um sucesso, diferente da franquia é claro, e não sei de ninguém que o tenha assistido antes de sua continuação, (pelo menos ninguém que se lembre de ter assistido).
Se você disser que já assistiu a esse filme acredito, na verdade é uma experiência que recomendo, poder assistir ao Senhor Governador da Califórnia durante seu inicio de carreira, principalmente agora na iminência do “Exterminador do Futuro IV”.
Esse primeiro filme, do que até um tempo atrás poderia ser chamado de trilogia, mostra a primeira tentativa de assassinato a John Connor, mandando um exterminador (do futuro) para certificar que sua mãe, Sarah Connor, venha ao óbito antes mesmo de engravidar.
Mesmo tendo assistido aos dois últimos filmes desta series, alguns fatos não são totalmente previsíveis, o que faz valer sua inclusão na lista de filmes antigos que você tem que ver.

sábado, 24 de janeiro de 2009

O Reino do Amanhã 2, de Mark Waid

null null

null null
null null

null null

Talvez você concorde comigo, pois pra mim Reino do Amanhã sem Alex Ross na é Reino do Amanhã. O que acontece é que Mark Waid insistiu que ainda havia uma historia a ser contada, portanto, com ou sem o lápis encantado de Ross, ele escreveu o Reino do Amanhã 2.
Mas como eu sou da teoria de que todo historia deve ser lida, ou ao menos iniciada, fica ai pra que tiver disposição de desbravar o hipertempo.

A Bússola de Ouro, de Philip Pullman

A bussola de ouro

Ao ler este livro, tenha em mente que a historia se passa em um universo paralelo ao nosso, não que o universo em que residimos não seja levado em consideração, mas a trama toma por base a idéia da existência de incontáveis universos, todos entrelaçados e coexistentes.
Como qualquer universo criado, este também possui suas particularidades, por exemplo? cada pessoa vive acompanhada de seu Dimon, a maneira mais fácil de descrever o que vem a ser um Dimon é dizendo que eles são a personificação da alma de seus donos. E comumente assumem a forma de um animal.
A ação começa quando um cientista começa a explorar uma suposição, que se verdadeira, derrubaria todos os dogmas pré-estabelecidos pelo magistrado. Alguem aqui se lembra de um carinha chamado Galileu Galilei? Certa vez ele disse que a terra era redonda, foi condenado pela santa inquisição, e se não fosse sua amizade com o papa em serviço teria sido executado. Neste livro de Philip Pullman acontece algo parecido, Lorde Asriel é capturado e preso pelo Magistrado devido a sua insistência em provar a existência de mundos paralelos.
Nas paginas de seu livro, o autor busca mostrar sua posição perante a sociedade e a religião. Ele é ateu, e não é necessário muito esforço para perceber que ele buscar encaixar o magistrado, que por sinal é o vilão da historia, no perfil que a igreja católica tinha lá pelo inicio do seculo XIX.
Reparou que até esta linha eu não havia sequer mencionado o nome de Lyra Belacqua, a sobrinha de Lorde Asriel e personagem principal, é que costumo ter o péssimo habito de contar spoilers, e para os futuros leitores desse livro, eu não gostaria de tirar a magia dessa leitura.
A Bussola de Ouro é o primeiro volume da trilogia Fronteiras do Universo, os ouros dois se tratam de A Faca Sutíl e A Luneta Âmbar.
Antes de terminar o post talvez eu deva ao menos tentar explicar o título do livro, A bussola de ouro se trata realmente de um alethiômetro, que seria um leitor da verdade, se o portador de tal objeto tiver conhecimento de seu manuseio, e souber os muitos significados de cada um de seus 64 signos, não a pergunta que não possa ser respondida.
Espero que eu tenha conseguido não ser muito confuso, ou se fui, que tenha ao menos lhe despertado o interesse por este livro.

Se lhe surgir alguma duvida, entre num site chamado Google, lá você poderá obter mais detalhes, além de incontáveis spoilers.

A Bússola de Ouro

Advogado do Diabo, de Chuck Dixon

Advogado do Diabo Advogado do Diabo

Escrita por Chuck Dixon e com sua arte por conta de Graham Nolan e Scott Hanna, O Advogado do Diabo se faz uma historia ímpar. Só pela capa fica obvio que o astro da revista, nesse caso, é o Coringa, e na trama ele é pego e condenado por um crime que não cometeu.

Batman, com todo o seu censo de justiça tenta correr contra o tempo para provar a “inocência” do vilão, antes que o tal frite na cadeira elétrica.
Já faz um bom tempo que essa historia foi publicada aqui no Brasil, mas como muitas outras historias do cavaleiro das trevas, esta vale a pena ser lida.

Links:
Completo,
O Advogado do Diabo
Dividido em partes,
O Advogado do Diabo - parte 01
O Advogado do Diabo - parte 02

The Walking Dead, de Robert Kirkman

null null
null null

Devo admitir que não pretendia me arriscar em outra historia de zumbis tão cedo, mas devo admitir que The Walking Dead compensou. Dificilmente conseguirei descrever em linhas a qualidade da obra, ou mesmo o estilo e tipo de historia, mas… alguem aqui assistiu a I Am Legend”? Pois é.

Escrita por Robert Kirkman e desenhada por Tony Moore e Charlie Adlard, que assume a partir do numero 7, a historia tenta ser algo a mais do que simplesmente tiros e zumbis.

The Walking Dead #01

The Walking Dead #02


The Walking Dead #03


The Walking Dead #04

The Walking Dead #05

The Walking Dead #06

The Walking Dead #07

The Walking Dead #08

The Walking Dead #09

The Walking Dead #10

The Walking Dead #11

The Walking Dead #12

The Walking Dead #13

The Walking Dead #14

The Walking Dead #15

The Walking Dead #16

The Walking Dead #17

The Walking Dead #18

The Walking Dead #19

The Walking Dead #20

The Walking Dead #21

The Walking Dead #22

The Walking Dead #23

The Walking Dead #24

The Walking Dead #25

The Walking Dead #26

The Walking Dead #27

The Walking Dead #28

The Walking Dead #29

The Walking Dead #30

The Walking Dead #31

The Walking Dead #32

The Walking Dead #33

The Walking Dead #34

The Walking Dead #35

The Walking Dead #36

The Walking Dead #37

The Walking Dead #38

The Walking Dead #39

The Walking Dead #40

The Walking Dead #41

The Walking Dead #42

The Walking Dead #43

The Walking Dead #44

The Walking Dead #45

The Walking Dead #46

The Walking Dead #47

The Walking Dead #48

The Walking Dead #49

The Walking Dead #50

The Walking Dead #51

The Walking Dead #52

The Walking Dead #53

The Walking Dead #54

The Walking Dead #55

The Walking Dead #56

The Walking Dead #57

The Walking Dead #58

The Walking Dead #59

The Walking Dead #60

Coraline, de Neil Gaiman

null

Embora este livro seja classificado como infanto-juvenil, ele pode e deve ser lido por qualquer um que possua certo fascínio pelo fantástico. Coraline, e não Caroline, pode ser considerada uma rival à altura para a Alice de Lewis Carrol.
Coraline se muda com os pais para um apartamento em uma casa antiga. O apartamento possui 22 janelas e 14 portas, 13 das portas abrem e fecham normalmente, no entanto, a décima quarta pode tanto abrir para uma parede de tijolos, ou ser a entrada de um corredor gélido e escuro.
Como o próprio Gaiman disse na FIT, o terror é apenas o tempero de suas obras, e não o prato principal. As aventuras que a criança encontra no mundo do outro lado do corredor são do tipo que você não consegue parar de ler, e quando chega ao final da estória você fica um tanto quanto chateado com o escritor pelo fato do livro ter apenas 159 páginas.
Não posso esquecer de citar a contribuição de Dave McKean. A ilustração desse artista é um verdadeiro brinde que acompanha o livro, e ajuda a criar o clima do livro. McKean tem desenhos angulares e traços vitorianos, embora eu não saiba exatamente o que vem a ser traços vitorianos, isso completa a atmosfera sinistra do livro.

null

Morte, O Preço da Vida, de Neil Gaiman

null null
null null

“Vou te encontrar Vestida de cetim
Pois em qualquer lugar
Esperas só por mim
E no teu beijo
Provar o gosto estranho
Que eu quero e não desejo
Mas tenho que encontrar
Vem Mas demore a chegar
Eu te detesto e amo
Morte, morte, morte que talvez
Seja o segredo desta vida”
(Canto para minha morte, Raul Seixas)

A letra acima citada, e o scan que disponibilizarei logo abaixo, não possuem nenhum vinculo direto, mas achei que valeria a pena junta-los num mesmo post, uma vez que ambos tratam da mesma.., bom do mesmo…, bem, ambos falam da morte!

A cada cem anos a irmã mais velha de Sonho deve passar um dia como mortal, isso faz parte da sua “tarefa”, esse exercício faz com que ela entenda melhor o seu trabalho, e a sua função.
Desenhada por Chris Bachalo, Morte, O Preço da Vida, descreve exatamente esse dia. Uma história excelente por sinal. Além da personagem principal, uma presença que alguns poderam notar é a de Mad Hettie, alguns leitores talvez a reconheçam, ela teve uma breve participação no começo da saga de Sandman, esta habilidade de Gaiman em entrelaçar a história de seus personagens é outra característica que torna a leitura de seus contos algo tão fantástico.
Morte, O Preço da Vida foi publicada em 2000 pela Vertigo. Acho que já lhes passei todas as informações que poderia lhe ser úteis sobre a obra, mais que isso só lendo mesmo.
Então, boa leitura a vocês, e vão pela sobra.

Links:
Morte, O Preço da Vida - parte 1
Morte, O Preço da Vida - parte 2
Morte, O Preço da Vida - parte 3

Música: Raul Seixas - Canto Para Minha Morte.mp3

Marvel Zumbis vs. Army of Darkness

null null
null null
Aqui a equipe criativa muda um pouco, assim como o ângulo por onde a história é contada.
Escrita por John Layman, nessa HQ vemos Ashley J. Williams, (apenas Ash para aberrações sobrenaturais e conhecidos) enfrentar Zumbis fantasiados utilizando sua moto-serra, seu “pau-de-fogo” (ainda to grilado se não foi equivoco do tradutor, já que é a primeira história que leio com esse personagem) e seu senso de humor.
Ash é trazido até essa realidade pelo Necromicon, “Este mundo irá perecer. E um exército de mortos irá surgir” é isso que ele diz antes de ser atingido pelo punho de Ash. A profecia é verdadeira, e segundo Ash, o Necromicon é a única saída para salvar o mundo.
A arte dessa vez fica por conta de Fabiano Neves, e as cores são de June Chung.

Prólogo:
Marvel Zumbis vs. Army of Darkness #00

Marvel Zumbis vs. Army of Darkness #01
Marvel Zumbis vs. Army of Darkness #02
Marvel Zumbis vs. Army of Darkness #03
Marvel Zumbis vs. Army of Darkness #04
Marvel Zumbis vs. Army of Darkness #05

Minha Idéia de Diversão, de Will Self

null
Uma estória no mínimo insólita. Durante muitas paginas nos vemos presos na mente eidética de Ian Wharton, sem poder diferenciar com certeza o que é delírio do que é real. Este livro é contra indicado para quem tenha estomago fraco, ou pretenda conservar a inocência de sua mente.
Sem dúvida foi um dos livros mais originais que li, no entanto, os adjetivos demoníaco, engenhoso e chocante são igualmente ideais para qualificá-lo. Seria impossível para mim descrever do que se trata o livro, ou eu passaria uma idéia totalmente exagerada das situações absurdas descritas no livro, ou deixaria muito a desejar apenas dissertando sobre a vida de Ian Wharton.
Mas como não irei resistir mesmo, logo nas primeiras páginas Will Self dá uma idéia do que seria, talvez a sua, idéia de diversão, divagando um pouco em sua mente ele chega a conclusão que sua idéia de diversão seria praticar sexo com o buraco sanguinolento, do pescoço decepado de um mendigo.
O livro é recheado de citações e referências, muitas mesmo, o que torna a leitura mais rica, se você conseguir compreende-las é claro, vou confessar, não consegui compreender a metade, sem as notas do tradutor fica difícil compreender algumas coisas, principalmente quando tem a ver com a cultura local, e como Ian Wharton é um publicitário, há muitas referências a produtos que eu nunca ouvi falar.
Embora não seja um livro indicado a todos, a leitura vale a pena, mas mantenha uma caixa de Gardenal a postos para qualquer manifestação da influência de O Controlador Gordo, é importante manter o artigo o em caixa alta, mesmo que apenas em pensamento.

Entrevista com o Vampiro, de Anne Rice



Impressionante como os vampiros mais interessantes da ficção parecem ter o seu lado homossexual mais visível do que o normal, pode ser que a imortalidade seja tão monótona que eles tenham de experimentar coisas novas de vez em quando.
O livro começa com Louis Point du Lac, um vampiro que teria hoje nada mais do que 242 anos, contando sua história a um jovem repórter. Louis conta como aconteceu sua transformação, como se deixou seduzir-se por Lestat e pela vida noturna, fala de seu repudio por certos hábitos vampirescos, tudo isso sem nem ao menos sair de Nova Orleans. Através das paginas do livro Louis ainda vaga por determinadas cidades da França do inicio do século XIX, em busca dos segredos que a imortalidade de outros vampiros podem guardar.
Anne Rice rege com maestria esse mundo de angustias, onde vampiros imortais vagam em sua solidão, à procura de motivos que justifiquem suas imortalidades.
O livro nos apresenta varios personagens fascinantes, Lestat e Louis são apenas alguns deles. Outra que marca bastante a história é Claúdia, uma menina vampira, foi transformada quando tinha pouco mais de cinco anos. Enquanto Louis fica tentando manter, ou encontrar, o seu lado humano, mesmo após a imortalidade, Claúdia nem chega a ter o seu aspecto humano, pois não viveu tempo suficiente para isso, e sua natureza vampírica é a única que ela conhece.
Recomendo este livro sem medo, não só aqueles que se interresem por literratura gótica, ou pela magia que envolve o universo dos vampiros, mas tambêm esta a fim de uma boa sugestão de leitura.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

PC velho é foda!





Semana passada disse em algum post que precisava arrumar minha placa de som o mais rápido possivel para poder acompanhar as séries que re-estreiam amanhã.
Pois é, meu PC me forçou a antecipar a ida ao mecânico. A princípio estava crente de que no maximo, teria que trocar a fonte. No dia seguinte recebo a noticia de que a placa tambem foi pro pau. E pelo fato de todos o itens que compõe minha CPU serem defasados, qualquer manutenção viria acompanhada de uma troca total.
Muito foda, tenho que pensar um pouco antes de tomar qualquer atitude, afinal, é meu bolso que tá em jogo.

Livros que li em 2008

Assassinatos na Academia Brasileira de Letras, Jô Soares;

Senhor Dos Aneis - A Irmandade do Anel,
Senhor Dos Aneis - As Duas Torres,
Senhor Dos Aneis - O Retorno do Rei, J.J.R.Tolkien;

Coraline,
Lugar Nenhum, de Neil Gaiman;

Eu Sou o Mensageiro, de Markus Zusak;

A bruxa de Portobello, Paulo Coelho;

O Caçador de Pipas, Khaled Hosseini;

Memorias de uma Gueixa, Arthur Golden;

O Perfume, Patrick Süskind;

Quem tem medo de escuro?, Sidney Sheldon;

Entrevista com o Vampiro, Anne Rice;

Minha Idéia de Diversão, Will Self;

A Estrada da Noite, Joe Hill;

A Bússola de Ouro, Philip Pullman;

Mate-Me Por Favor, de Legs McNeil & Gillian McCain;

Esta pequena lista contem os livros devorados pela pessoa que vos fala no decorrer desse ano de 2008.
17 livros, talvez tenha me esquecido de algum, fora os que não inclui pelo fato de sua leitura ainda estar, meio que, pendente. Por exemplo, o livro "O Demônio do Esquecimento" de Michel del Castillo deveria estar incluso nesta lista, porém, devido a minha preguiça de final de ano adiei sua leitura para fevereiro.
Creio que o balanço tenha sido positivo, visto que a media de livros lidos por ano do brasileiro é inferior a seis, segundo o Instituto Pró-Livro.
Mas tendo cada vez menos tempo disponível, espero ao menos conseguir manter uma média de um livro por mês, não me faltam pretensões.

Mate-me por favor

Ah, a ordem em que dispus estes livros na lista, se trata, aproximadamente, da ordem em que fui conhecendo as obras dos autores. Um tipo de ordem cronológica pessoal, indexada pelo nome de cada autor.